Pesquisar este blog

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Escadinha de CDB

E aí, galera ? Hoje um postzinho que eu já tinha prometido faz tempo e num momento em que a renda fixa está voltando a ficar atrativa. 

Pra quem não sabe, a tal escadinha de CDB é ter títulos que vençam em meses diferentes ao longo dos anos, de forma que regularmente você tem algo pingando na conta tanto pra gastar como pra reinvestir nesta ou em outra classe de ativos.

Eu comecei a mexer com CDB, LCA e LCI em 2015, porém eu não fazia a escadinha. Simplesmente comprava o que achava melhor. Normalmente era um título pra 1 ano, depois outro pra 2 anos e outro pra 3, não importava o mês de vencimento. Nos últimos anos eu fui procurando vencimentos pra montar a tal escadinha que agora está bem azeitada e ocupando uns 12% da minha carteira. Abaixo uma tabelinha com os vencimentos:

Jan
202220232024
Fev
20222023
Mar
20222023
Abr
202220232024
Jun
202220232024
Set2021202220232024
Out20212022

Dez202120222023

Tem uns buracos em 2023 e 2024 que eu vou preencher quando possível. Esse mês peguei um CDB IPCA + 5,4% pra daqui 3 anos. Procuro não pegar nada além de 3 anos porque as coisas mudam muito. De repente a situação político-fiscal se deteriora ainda mais e começam a pintar títulos a IPCA + 7%. Só pego títulos com rating BBB+ pra cima e dentro do limite do FGC, o qual estou longe de atingir.

Alguns meses deixei intencionalmente sem nada. São meses em que um dia pretendo ter um volume legal de cupons do tesouro pra pagar as contas. No momento tenho algo mas é bem pouco. Estou esperando 2022 pra encher o carrinho com a instabilidade política em torno das eleições. Em 2018 lembro de ter pego TD 2035 a 6%. Pena que não peguei quase nada com cupom na época.

Composição atual da carteira:

ÍNDICEPARTICIPAÇÃOTAXA MÉDIA
CDI29,24%145,82%
IPC-A39,50%4,54%
Pré31,26%7,69%

Os prés que ano passado com a Selic a 2% estavam voando agora vão ser o calcanhar de Aquiles da carteira, ainda mais por causa da inflação galopante. Por outro lado com quase 40% indexado ao IPCA e 30% à Selic devo surfar bem a onda da alta dos juros e inflação nos próximos anos.

Para mais detalhes sobre a composição da carteira, veja o gráfico no meu Painel de Controle.

Rentabilidades:

2021 até agora - 5%
2020 - 4,7%
2019 - 5,8%
2018 - 8,4%

É isso aí. Até a próxima !

Veja também:

domingo, 5 de setembro de 2021

Balanço - Agosto/2021

E aí gente, caiu tudo por aí ?

Acho que de um ano pra cá só ganhou dinheiro quem mexeu com bitcoin, mesmo com a queda que houve algum tempo atrás. Pensando sobre cripto esses dias, considerei talvez meter 5k nisso porque se virar pó não vou ficar muito triste. Por outro lado se subir 100% ganho só 5k. Ou seja, pra que isso ? Se for pra entrar tem que entrar de sola.

No trampo tudo indo bem, num ritmo mais tranquilo. Meu maior medo era não conseguir acompanhar a galera, por ter ficado parado 2 anos, mas em poucos dias eu já estava a mil por hora e lembrando todos os paranauês.

Descobri que realmente fui sacaneado com o negócio da mudança. Havia preferencia (normal) por gente que ficasse aqui mas pra mim isso foi apresentado como uma obrigação. Mentira vale como recurso de negociação ? Às vezes tenho a impressão que meu chefe me evita, e que ele se sente desconfortável falando comigo. Consciência pesada ? Seja lá o que for, agora é tarde... bola pra frente.

O blog Aposente aos 40 lançou sua pesquisa anual sobre a comunidade FIRE brazuca. Clique AQUI e deixe seu pitaco.


Desempenho da carteira


Todas rentabilidades abaixo são líquidas, com exceção de previdência privada. Já está descontado IR e taxas para se desfazer dos ativos. Para ativos no exterior considerei um ágio de 5% no câmbio se quisesse trazer tudo pro Brasil, mais multas e impostos.

Tesouro direto (Pré-fixado, IPCA, Selic): -2%
Um desastre !!! Juros longos dispararam e a marcação a mercado detonou a carteira. No início do mês ainda caí na besteira de aproveitar o início da subida mas logo depois percebi que isso iria longe, bem mais longe...

Renda Fixa (CDB, LCx): 0,7%
Medíocre.

Fundos: -0,2%
Ridículo ! Porém já sei quem são os culpados e estou reequilibrando a carteira.

FGTS: 2,2%
Esse mês pingou um pouco a mais de juros. Talvez acabe sendo um dos melhores investimentos do ano.

Ações: -2,8%
Não pára de cair. 

FIIs:  -4,7%; DY do mês ficou em 0,69% 
Derreteram feito manteiga na chapa. Tive sorte de me livrar do SPTW11 logo no início do mês, poucos dias antes de cair tudo.

EUR: -1,4%
Investimentos andaram de lado e cambio caiu um pouco.
 
USD: 2,2%    
SP500 parece não ter limites.

Veja detalhes atualizados sobre a carteira no meu Painel de Controle.

Outros ativos


Colchão de segurança (SELIC, RF): ˜0,5%
Fiz uma retirada pra investir em FIIs e como sempre quando há grandes retiradas a planilha enlouqueceu apontando 3% de rendimento. Pelas minhas contas, não passou de 0,5%.

Um desastre!

Resultado do mês


Rendimento global da carteira:  -0,7%; no ano acumula -0,4%
Rendimento real nos últimos 12 meses: -5,5%
Taxa de poupança: 51%

Indicadores do mês:

CDI: 0,42%; no ano 2,07%
IPCA: 0,87%; acumulando 5,67% no ano
Poupança: 0,24%; no ano 1,36%

Mais um mês horrível. Esse ano acho que não tem mais salvação. Pior é a sensação de impotência. O que ganhei nos últimos 2 meses trabalhando parece ter evaporado.

Próximos passos


Hora de comprar ? Calma que isso é só uma amostra do que vem por aí em 2022... A caça aos votos deverá impulsionar medidas demagógicas que aumentarão o deficit fiscal. A campanha eleitoral promete reunir o que há de pior na nossa política. Não descarto atentado a candidatos nem qualquer tipo de manobra para iludir os eleitores.

TD de prazo longo e pré-fixados estou fora por enquanto.

Quanto aos FIIs, num primeiro momento tinha resolvido esperar até o ano que vem pra voltar a aportar mas depois mudei de idéia. Não dá pra adivinhar o fundo. Fora que provavelmente a disparada dos juros longos já está parcialmente precificada, ou seja, deve cair mais um pouco mas não tanto. E só vai cair mesmo se as previsões piorarem, tipo SELIC chegando a 2 dígitos. 

Como dividendos não foram afetados, existe o efeito bola de neve. Quanto mais cai, mais cotas eu compro com o mesmo dinheiro e mais dividendos eu recebo, com os quais eu compro outra vez mais barato ainda e o ciclo se repete. Então não tem erro. É seguir comprando aos poucos pra fazer preço médio.

Ano que vem meu yield estará maior e poderei reinvestir os dividendos no TD que aí sim deve explodir, facilmente superando os 5,5% nos títulos longos. Travar umas taxas bacanas pro longo prazo vai ser legal.

De bolsa estou tranquilo. Vai cair mesmo hahaha :)


Até a próxima !

segunda-feira, 16 de agosto de 2021

Quanto custa criar um filho ?


Alguém já parou pra pensar na conta a pagar por causa de alguns momentos de lazer ? :)

Eu parei pra pensar nessa questão quando decidi espalhar meus genes pelo mundo. Fui na internet, li alguns artigos e baixei algumas planilhas. Num avião voltando da Venezuela depois de uma viagem a trabalho (tempos bicudos), peguei os números sugeridos ali e adaptei pra minha realidade. Anos depois descobri esse negócio de FIRE e incorporei os números ao meu orçamento.

Ainda tenho essa planilha. Infelizmente não encontro mais o artigo de onde eu a baixei, mas isso não importa. Um outro artigo da época que me ajudou muito foi esse aqui, publicado no Dinheirama em 2013. Nesse mesmo portal dá pra achar um artigo quase igual com data mais recente porém com os mesmos números. Usando a calculadora do cidadão eu corrigi os valores pelo IPCA. Ficou assim (valores em milhares de reais):

Tipo de gastoClasse AClasse BClasse CClasse D
Alimentação183,54152,9572,9736,64
Babá e adicional empregada doméstica271,49240,900,000,00
Energia, telefone e TV a cabo94,6481,2624,859,18
Alimentação escolar74,5642,5423,900,00
Berçário, ensino fundamental e médio e universidade722,69328,84152,950,00
Cursos diversos90,0242,0626,770,00
Materiais didáticos, livros, CDs e revistas40,1534,4128,200,00
Mesada119,3383,4938,240,00
Transporte74,0951,6224,850,00
Academia, clube e associações90,5049,7122,940,00
Cinemas, teatros e shows48,1224,8515,307,65
Festas de aniversário319,7638,2415,300,00
Viagens, férias e passeios212,2238,248,280,00
Fundos/investimentos238,1945,897,650,00
Despesas diversas e farmácia59,4333,7829,000,00
Médicos particulares, pediatra e dentista58,790,000,000,00
Plano de saúde133,0491,7789,860,00
Brinquedos, informática, telefonia e novas tecnologias256,0358,3124,850,00
Roupas e calçados237,0771,7042,7032,02
Total3323,661510,55648,6185,49
Faixa salarial (a partir de)39,839,563,19


Será que é por aí mesmo ?


Este outro artigo do UOL destaca a grande diferença entre os valores para uma criança da periferia (classe D) e outra de um bairro nobre (classe A). A família da classe D deve gastar 60 mil (um pouco abaixo do estudo), enquanto que a da classe A 5 milhões (bem acima do estudo).

Aí você pode parar e pensar: mas não são todas crianças, com as mesmas necessidades de alimentação, educação, lazer e amor ? Porque tanta diferença ? Porque uma precisa de milhões e a outra menos de 100 mil ?

Tinha um artigo de um médico chamado Juan Lobo, publicado em seu blog, que fazia exatamente esse questionamento. Infelizmente tanto o artigo como o blog sumiram do mapa. Tendo em vista o estudo que mencionei acima (o do Dinheirama), ele calculou baseado na necessidade de calorias e no custo da cesta básica, conforme a idade, quanto alguém gastaria pra alimentar uma criança e quanto de fraldas iria gastar. Era muito interessante, uma pena que sumiu. 

Curiosamente esse médico concluiu que a quantia necessária era compatível com aquela estimada para a classe D, cerca de 60 mil reais de 2013, equivalente a 85 mil de hoje. Incrível, não ?

É claro que é um valor muito baixo, pois onde fica curso de inglês, natação, viagens, etc ? É que nesse artigo ele se propunha a calcular o custo do básico indispensável pra criar um filho: saúde, higiene, educação e alimentação. Ele contava que se usaria saúde e educação públicas. De fato dá uma baita economia, mas a que preço ?

A pegadinha


Uma coisa é fato: sempre que você vê pela estatística do governo ou de alguma pesquisa que na média uma família gasta X com isso ou aquilo, quase sempre isso quer dizer que pessoas financeiramente conscientes como os entusiastas da IFAP (ou FIRE) podem gastar bem menos sem sacrificar a qualidade. Principalmente se você olhar os números das classes A e B, que tem mais "bala na agulha".

Isso porque uma família média das classes A e B simplesmente gasta demais em quase tudo. Como a maioria das famílias não tem objetivos financeiros, elas simplesmente gastam tudo que ganham. 

O finado artigo dizia:

"As sugestões levam em conta gastos médios (não extravagantes) de uma família de classe média da Barra, Rio. Estes gastos variam muito."

Levando em conta as sugestões, o custo total ficaria em 870 mil, mais um custo de oportunidade que eu estimei em 2% ao ano, resultando em 912k. Compatível com o estudo do Dinheirama para uma família da classe B.

Meu número mágico


Sabendo da pegadinha, naquele vôo Caracas-São Paulo peguei as tais sugestões e fiz uns ajustes de acordo com a minha realidade. Já não tenho o valor original, porém revisei esses dias e cheguei a um valor próximo a 750 mil reais, incluindo o custo de oportunidade. É o que eu precisaria se tivesse um filho hoje.

De fato ficou bem abaixo de 1,5 milhões, valor estimado para a classe B naquele artigo de 2013, já corrigido pelo IPCA.

Pra quem quiser brincar com os números, a tal planilha pode ser baixada AQUI.

Veja também:

domingo, 1 de agosto de 2021

Balanço - Julho/2021: inflação segue fazendo estrago

O ano tá voando ! Daqui a pouco é natal !

Mês marcado pelo cansaço e adaptação no trampo. Essa fase vai passar. Mesmo estando fora do mercado há 2 anos consegui logo nesses primeiros dias resolver uns problemas cabeludos e arrancar elogios de colegas e clientes. Ou seja, o povo já se ligou que eu sou bom e posso fazer a diferença. Daqui pra frente é pisar no freio, ajustar pra velocidade de cruzeiro e procurar o botão do piloto automático.

Desempenho da carteira


Todas rentabilidades abaixo são líquidas, com exceção de previdência privada. Já está descontado IR e taxas para se desfazer dos ativos. Para ativos no exterior considerei um ágio de 5% no câmbio se quisesse trazer tudo pro Brasil, mais multas e impostos.

Tesouro direto (Pré-fixado, IPCA, Selic): -0,6%
Um desastre !!!

Renda Fixa (CDB, LCx): 0,7%
Medíocre.

Fundos: 0,2%
Ridículo desempenho. Zerei posição no AF Invest Geraes, simplificando mais um pouco a carteira. Vou começar a zerar tudo que está patinando e transferir pro DNA Vision na XP, mais diversificado e fácil de acompanhar.

FGTS: 0,25%
O de sempre.

Ações: -3,8%
Mais volatilidade. Derreteu no fim do mês. Comprei mais um pouquinho de SAPR3, a qual voltou a cair. Estou com uns 30% de preju nesse papel. Vou carregar até o ano que vem pra ver no que dá.

FIIs: 2%; DY do mês ficou em 0,85% 
Excelente performance, recuperando parte do prejuízo desse ano. Será que é o começo da virada ? Desovei mais um pouco de SPTW11 e mês que vem devo zerar de vez. KISU11 deu uma caída e aproveitei pra entrar. Gosto da proposta desse FoF e quero usá-lo como pilar na minha carteira. Estou de olho no IFID11 e IFIE11. Não me animei ainda porque acho a liquidez muito baixa. Prioridade mesmo agora é enxugar a carteira.

EUR: 3,1%
Aumentei minha posição em fundos indexados que seguem a dívida de governos europeus, ações de países emergentes, ações globais e empresas do ramo imobiliário norte-americano.

USD: 4,2%    
Excelente, SP500 não para de subir !


Veja detalhes atualizados sobre a carteira no meu Painel de Controle.

Outros ativos


Colchão de segurança (SELIC, RF): 0,4%
Mais que isso não vai... Agora que estou trabalhando de novo vou diminuir esse colchão.

Pífio.

Resultado do mês


Rendimento global da carteira: 0,6%; no ano acumula 0,4%
Rendimento real nos últimos 12 meses: -3,6%
Taxa de poupança: 45%

Indicadores do mês:

CDI: 0,36%; no ano 1,64%
IPCA: 0,96%; acumulando 4,51% no ano
Poupança: 0,24%; no ano 1,12%

Como agora tenho renda ativa volta a taxa de poupança como métrica relevante.

A inflação segue muito alta e sem sinais de trégua. Não tenho conseguido manter o poder de compra da carteira. Estou levando uma surra. Não dá pra depender só de aporte pro patrimônio crescer. Rentabilizar os investimentos também é importante.

Próximos passos


A RV segue sendo RV com sua volatilidade. A RF não tem conseguido superar a inflação. Sou obrigado a tomar cada vez mais risco (cripto manda lembranças), me livrando de ativos atrelados à moribunda SELIC pra tentar me recuperar. Será que algum dia voltaremos a ter juros reais positivos ?

O que for caindo de dividendos de FIIs e ações e cupons do tesouro vou usando pra equilibrar a carteira no Brasil. Ainda estou me desfazendo de vários FIIs e rumando a uma carteira mais passiva, com mais peso em FoFs.

E o que sobrar do salário vai pros fundos de índice. Vou deixar uns 6 meses em cash pra qualquer emergencia ou oportunidade.

Bons investimentos a todos !

domingo, 18 de julho de 2021

Primeiras impressões do mundo corporativo pós-sabático


E aí gente?

Já fazem algumas semanas que voltei pro batente e queria compartilhar com vocês algumas impressões.

Foi meio surreal depois de 2 anos de vagabundagem entrar num escritório, abrir um laptop e ver dezenas de emails sobre trabalho. Também foi surreal trabalhar de máscara (obrigatória em lugar fechado), sem ar condicionado (quebrado) num calor de 35 graus.

Sacanagem ?


A parte mais chata é que acho que fui sacaneado. Na hora da entrevista me disseram claramente que eu teria que me mudar pois eles queriam gente daqui, queriam fazer um time aqui, transformar essa filial num hub importante da empresa e inclusive estavam de mudança para um escritório maior, justamente pra acomodar todo esse povo.

Pois no primeiro dia meu gerente se mostrou surpreso com minha mudança. E logo nos primeiros dias percebi que tem muita gente que não mora aqui, trabalha remoto e vem pro escritório só de vez em quando. Ou seja, eu não precisava ter mudado. Quando descobri já era tarde, praticamente já estava com tudo empacotado pra mudar. 

Das 2 uma. Pode ter sido uma simples falha de comunicação, pode ser que depois da entrevista houve uma mudança nessa política de trazer todo mundo pra cá, só que não me falaram nada. 

Ou pode ter sido por eu ser estrangeiro. Como estrangeiro eu dependia da empresa entrar com um processo pra eu pegar uma autorização de trabalho. Apesar de não ser tão caro ou difícil, à primeira vista isso espanta muitas empresas. Será que usaram isso ? Sabendo que eu teria dificuldade em achar uma empresa que topasse fazer a papelada, resolveram jogar um verde pra mim, pra eu mudar e virar local, ficando mais fácil me controlar ? É o sonho das empresas trazer todo mundo de volta pro escritório. Não seria a primeira vez que, como estrangeiro, tenho condições de trabalho piores que meus colegas nativos.

Um dia descubro.

Palhaçadas


Também no primeiro dia já percebi que é mais importante preencher direitinho um relatório com suas atividades do que faze-las. Mais importante que trabalhar é reportar o trabalho. Muito comum isso no mundo corporativo.

As empresas hoje em dia, principalmente as da área de tecnologia, estão meio malucas, querendo se apresentar quase como se fossem uma religião. Tem o negócio de vestir a camisa, de pregar o logotipo na testa. Os caras inventaram até uma forma própria de se cumprimentar. Está indo pra um lado meio esquisito. Esqueceram que a gente está lá simplesmente pra por comida na mesa.

Essa lavagem cerebral é poderosa. Até eu que sou macaco velho quase caio no canto da sereia. Não estou lá pra dar o sangue e fazer carreira como os outros. É só pra juntar uma graninha e mais nada. Mas é difícil quando todo mundo está na correria e você não quer e nem precisa acompanhar. Ainda estou pegando ritmo. O meu ritmo. 

Motivações


Sobre esse descolamento da realidade com o discurso motivacional das empresas, me vem à mente uma história que sempre contam pra motivar as pessoas, fazê-las encontrar sentido em suas vidas, a qual vou adaptar a recontar a seguir.

Numa esquina estão 3 operários quebrando pedras sob um sol escaldante. Um transeunte pergunta pra eles o que estão fazendo.

- Estou quebrando pedras, oras ! - diz o primeiro

- Estou construindo uma catedral ! - diz o segundo, o qual é tomado como exemplo a seguir e a história termina.

Só que na minha versão tem o terceiro. Este explica:

- Estou me aproximando da IF e se o dinheiro cai na conta no fim do mês pra mim tanto faz se estou quebrando pedras, construindo uma catedral, hospital, cadeia ou o escambau !

Cansaço


Ainda sem ritmo, esses dias o cansaço está enorme. Termina o expediente, não tenho animo pra nada, estou até zonzo com a cabeça a mil e não consigo "desligar" minha máquina de resolução de problemas. Até pra dormir está sendo difícil. Estou escrevendo isto às 3 da manhã. Quando você tem um trabalho braçal, no fim do dia você está cansado mas depois de um banho e do jantar você já está novo. Já quando você só trabalha com a cabeça, resolvendo pepinos o dia inteiro, não adianta fazer essas coisas. Não achei ainda o botão pra desligar o cérebro.

Sobre tempo não tenho nem o que comentar. Se antes era escasso agora existe falta crônica. Minha vida é só mesmo trabalhar, comer e dormir.

Leiam o post "Diário de um Detento", do colega blogueiro Sapien Livre. Uma perturbadora descrição da vida de milhões de pessoas, inclusive da minha agora.

Vamos trabalhar


Hoje li que o blogueiro ERN também voltou pro batente. Só pra ocupar a cabeça ele diz. Esse aí tá com o burro na sombra mesmo. O cara acumulou mais de 2 milhões de dólares pelo que me lembro.

É isso aí. Emprego é emprego. Emprego dá trabalho. Se ninguém pagasse, ninguém faria.




quarta-feira, 7 de julho de 2021

Balanço - Junho/2021: um mês bem cheio

  

Olá, mundo !

Junho foi um mês de acontecimentos marcantes: tomei a vacina anti-corona, completei 2 anos de sabático, passei numa certificação de idiomas e voltei ao batente. Ufa !

No momento estou de casa nova, com caixas de mudança e malas pra todo lado.

No trampo comecei há poucos dias e portanto estou numa fase de adaptação. Já estou vendo umas merdas e tenho a impressão de que fui sacaneado. Quem sabe faço um post explicando melhor. O mundo corporativo continua o mesmo.

Desempenho da carteira

Todas rentabilidades abaixo são líquidas, com exceção de previdência privada. Já está descontado IR e taxas para se desfazer dos ativos. Para ativos no exterior considerei um ágio de 5% no câmbio se quisesse trazer tudo pro Brasil, mais multas e impostos.

Tesouro direto (Pré-fixado, IPCA, Selic): 0,6%
Nos velhos tempos de SELIC a 2% estaria ótimo mas hoje em dia é bem fraco.

Renda Fixa (CDB, LCx): 0,6%
Idem. Raquítico.

Fundos: -0,3%
Ouro despencou e enterrou a carteira.

FGTS: 0,25%
O de sempre.

Ações: 1,1%
Bastante expressivo ! Realizei alguns lucros no início do mês e foi uma boa estratégia.

FIIs: -2,8%; DY do mês ficou em 0,74% 
Cotas seguem em queda livre. O fantasma da tributaçao de dividendos está de volta. Pelo menos os dividendos vieram mais gordos que no mês passado.

EUR: -6,5%
Real virando moeda forte !

USD: -1,8%    
Dólar em queda livre.


Veja detalhes atualizados sobre a carteira no meu Painel de Controle.

Outros ativos


Colchão de segurança (SELIC, RF): 0,4%
Mais que isso nao vai.

Medíocre.

Resultado do mês


Rendimento global da carteira: -0,8%; no ano acumula -0,2%
Rendimento real nos últimos 12 meses: -2%
Taxa de retirada nos últimos 12 meses: 2,5% - dentro da meta (3,2%)

Indicadores do mês:

CDI: 0,3%; no ano 1,27%
IPCA: 0,53%; acumulando 3,77% no ano
Poupança: 0,2%; no ano 0,87%

Como já passei de 1 ano de vagabundagem posso mostrar a taxa de retirada anual, que é mais fácil de entender e acompanhar. Esta taxa 2,5% é a divisão de todas as despesas dos últimos 12 meses, menos renda passiva (cupons de tesouro, dividendos de FIIs e ações), pelo valor da carteira 1 ano atrás. Ou seja, é retirada mesmo (venda de ativos).

Como agora tenho renda ativa não faz mais sentido contabilizar taxa de retirada. A partir do próximo mês volta a taxa de poupança como métrica relevante.

Um semestre pra ser esquecido. Tão ruim quanto o primeiro semestre de 2020. Esse mês em particular a valorização do real enterrou a rentabilidade. Isso principalmente porque eu trouxe bastante grana quando a cotação estava nas máximas. Por outro lado, em dólar o patrimônio deu uma bela subida.

Melhores investimentos do semestre: USD (8,7%), Ações (4,9%), RF (3,3%)
Piores investimentos do semestre: FIIs (-8,1%), EUR (-4,1%), TD (-2,5%)

Próximos passos


Basicamente agora é aportar no exterior ! Pau na máquina !

Bons investimentos a todos !