Pesquisar este blog

sábado, 16 de dezembro de 2017

De calças arriadas: renda fixa


Continuando a série sobre detalhes da minha carteira, dessa vez abordo a renda fixa - títulos públicos e privados. 

A evolução da minha história como investidor foi assim:
  1. Poupança
  2. Fundos de investimento
  3. Ações
  4. Títulos privados - CDB, LCx (LC, LCA, LCI)
  5. Títulos públicos
  6. Previdência Privada
  7. FIIs
Por conta do pífio rendimento do Tesouro Direto nos últimos meses e constante queda da SELIC, resolvi examinar com mais detalhe essa carteira, que atualmente corresponde a 38% dos meus investimentos.

Títulos privados

No início de 2015 fiz uma revisão anual das finanças e senti necessidade de diversificar em algo. Não era possível que todo meu dinheiro tinha que ir pra fundos e poupança. Estava muito concentrado. Fui pesquisar sobre renda fixa e finalmente abri conta numa corretora - Easynvest. Sem taxa de custódia e ótima variedade de papéis. Todo mês resgatava uma quantia dos fundos e comprava alguns. 

Nessa época os juros estavam na lua mas eu não tinha idéia da oportunidade. Surfei um pouco na onda mas meio sem querer pois não sabia que aquilo era uma situação extraordinária. Devia ter enchido os bolsos de pré-fixados. Agora é tarde, paciência. Ainda assim peguei alguns. O último CDB pré a 18% vence ano que vem.

Sempre me atento à classificação de risco dos bancos. Jamais pego algo com grau de investimento especulativo, mesmo com a proteção do FGC. Cheguei a ter uns 80 papéis na carteira e a partir de 2016 o que ia vencendo eu colocava em outras coisas, principalmente Tesouro Direto.

Títulos privados correspondem a 14% da minha carteira. Análise da minha posição:




  • CDI - 56,7% da carteira, a uma taxa média de 104% CDI, vencimento médio em 1,8 anos
  • Inflação - 31,7% da carteira, taxa média de 6,48% + IPCA ou IGPM, vencimento médio 1,3 anos
  • Pré-fixado - 11,6% da carteira, taxa média 13,09%, vencimento em 1,4 anos em média


  • Esta carteira acumula 19,3% de rendimento em 2017 segundo a planilha do AdP. Deve ter algum bug nisso. Não sei se tem a ver, mas o que mais rolou foi retirada (títulos vencendo sendo realocados para outros investimentos) e o preço médio anual da cota vem caindo enquanto o valor da cota aumenta. Devo mencionar que comecei o controle em abril, sendo que os 3 primeiros meses eu preenchi meio de cabeça e estava rolando forte realocação de recursos. Paciência, ano que vem se acerta.


    Valor da cota Preço médio anual Preço médio histórico % mês % ano
    R$ 1,0027 R$ 1,0000 R$ 1,0000 0,27% 0,27%
    R$ 1,0050 R$ 1,0000 R$ 1,0000 0,23% 0,50%
    R$ 1,0404 R$ 1,0003 R$ 1,0003 3,52% 4,01%
    R$ 1,0795 R$ 0,9969 R$ 0,9969 3,76% 8,28%
    R$ 1,0875 R$ 0,9940 R$ 0,9940 0,74% 9,41%
    R$ 1,0952 R$ 0,9858 R$ 0,9858 0,71% 11,10%
    R$ 1,1018 R$ 0,9858 R$ 0,9858 0,60% 11,76%
    R$ 1,1108 R$ 0,9710 R$ 0,9710 0,82% 14,39%
    R$ 1,1193 R$ 0,9613 R$ 0,9613 0,77% 16,44%
    R$ 1,1279 R$ 0,9613 R$ 0,9613 0,76% 17,33%
    R$ 1,1356 R$ 0,9522 R$ 0,9522 0,69% 19,27%


    Títulos públicos

    Assim como nos títulos privados, surfei um pouco na onda porém sem saber a oportunidade que estava ali. Ainda assim peguei alguns TD IPCA com taxa superior a 7%. Infelizmente pré-fixado não peguei quase nada naquela época.

    Títulos públicos correspondem a 23% da minha carteira. Análise da minha posição:
    • TD IPCA 2019, 2024 e 2035 - 51,3% de participação a uma taxa média de IPCA + 6%
    • Pré-fixados 2019 e 2023 - 6,9% da carteira a uma taxa média de 11,3%
    • Tesouro SELIC - 41,8% da carteira
    Esta carteira acumula 7,57% de rendimento em 2017, já líquido de IR. Acho que nesse caso não tem bug na planilha !

    Conclusão

    Apesar da rentabilidade recente do TD ter sido um fiasco acredito estar bem posicionado em TD IPCA, com boa reserva em Tesouro SELIC para oportunidades futuras. A taxa dos Pré-fixados não é excepcional mas é a menor parte da carteira. Minha estratégia agora é ir pegando alguns CDBs pós-fixados a 116% ou mais do CDI e reavaliar quando a taxa do TD IPCA 2035 superar 6%.

    Vender os títulos de 7% só em caso de emergência pois a verdade é que não sei onde poderia reinvestir esse dinheiro. Por enquanto fica lá pra quando eu ficar velho.

    Meus títulos privados estão com taxas melhores em comparação com os públicos, o que é coerente por oferecem um pouco mais de risco que o TD.

    Bons investimentos a todos, seja em renda ou em perda fixa !

    6 comentários:

    1. Cara, o rendimento total é muito menor sim, mas nós FIRE precisamos olhar para o retorno acima da inflação e estes ainda estão quase em 4%. Só não pode cair abaixo de 3% real ai estamos ferrados

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Concordo - bater a inflação é a meta mais importante; quantos % acima dela vai influenciar em quanto tempo vc terá que trabalhar para manter o portfolio vivo no longo prazo

        Excluir
    2. Vaga,

      Desejo boas festas e um excelente 2018!

      Abraço!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigado Sr. Bife, igualmente pra vc ! abs

        Excluir
    3. Em época onde todos só falam de criptomoedas é bom ler sobre os investimentos convencionais rs

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Como perdi o bonde nao tem outro jeito ! é ficar no arroz com feijao. :)

        Excluir